Ter-só-não-me-ia

Sonhe. Que o sonho já estava em você antes mesmo de você. Sonhe, que sonhar é nada. É a capacidade de encher o vazio, fazer companhia à falta, tocar o espaço, que faz o homem pleno. Sonhe. Depois do sonho, faça acontecer, recrie, revise, destrua, reconstrua, supere, que o material mais forte é o resiliente. Volte a ser. Comece a ser. Seja, sempre, aconteça e, na pausa, sonhe, que sonhar é capturar a água com a mão sentindo o toque, o carinho quando ela lhe escapa. Sorria, mesmo lacrimosamente, seja forte: a árvore mais alta é a que tem as raízes mais fundas. Não temas a morte e verás que o temor do que seja não te assombra. Sonhe, que a ausência da utopia condena os homens, é como a cinza do vulcão afastando as estrelas. Sonhe alto, acima das nuvens, para ver que o tamanho dos problemas é uma questão de perspectiva. Sonhe o amor, sobretudo. Incompreendido, é fato que atravessa o coração dos homens sem chances, sem escolha, o amor permeia tudo, em todo olhar de soslaio e desejo há um filho querendo nascer. Ter-só-não-me-ia se não sonhasse.

4 comentários sobre “Ter-só-não-me-ia

  1. Que texto incrível! Adoro a palavra soslaio… sei lá, sempre me intrigou quem me olhasse de soslaio… ainda mais agora ao lembrar que “em todo olhar de soslaio e desejo há um filho querendo nascer”.
    Besos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s